Teletrabalho: Sessão de Esclarecimento dia 19 de Abril 2020 às 15h


Teletrabalho: Sessão de Esclarecimento

O STCC irá, no próximo dia 19 de Abril às 15h, proceder a uma sessão de esclarecimentos sobre questões laborais associadas ao Teletrabalho.

Esta sessão é exclusiva para sócios e para se inscreverem deverão enviar um e-mail com o vosso número de sócio/sócia para o e-mail sessaoesclarecimentos@gmail.com.

A aplicação que vai ser usada é o Zoom e iremos enviar o convite no dia 19 para o e-mail que nos façam chegar. https://www.facebook.com/events/527202237940736/

 

#sindicato
#callcenter
#táslogado?
#greve
#covid-19
#coronavírus

@Tás Logado?                                                                                                                       Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

download

@Stcc,tás logado?
https://www.facebook.com/TasLogadoLx/

REPORT THIS AD

A CASA, DE TRABALHADORES PARA TRABALHADORES
JUNTA-TE A NÓS!

Juntos Na Luta

https://www.facebook.com/acasa2016/
http://www.acasaonline.pt/
casasindical2016@gmail.com

PARTILHA! DIVULGA! SINDICALIZA-TE!

stcc-logo

Podes continuar a Assinar a nossa Petição de Profissão de Desgaste Rápido
Já pensaste em Ser o/a Delegado/a Sindical Logado/a?
CLICKAQUI e Faz a Diferença Hoje!
https://goo.gl/IAJdiA

Boletim taslogado Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

A Brincadeira acabou, o tás logado já chegou!

STCC
STCC, o nosso compromisso é regular todo o sector!
UMA SÓ VOZ
UM SÓ CAMINHO
O DA MELHORIA das nossas condições laborais.
A União dos Trabalhadores
extermina os Prevaricadores
UNIDOS SOMOS MUITO MAIS FORTES.

A GREVE NOS CALL-CENTERS MANTÉM-SE COMUNICADO STCC , tás logado?


FAZ GREVE, FICA EM CASA!
O STCC O TELEJORNAL DA SIC

Podem ver aqui o Presidente do STCC, Danilo Moreira em entrevista à SIC sobre a Greve que está a decorrer nos call-centers até 5 de Abril.

Teletrabalho para todos, sem perda de remuneração!
Quarentena paga, enquanto dura a transição!

Stcc, tás logado no Fórum da TSF 

Manuel Afonso, dirigente do STCC, onde a partir dos 1h:16 minutos de programa, (mais ou menos) explica de forma clara para quem está de “fora” a luta dos e das trabalhadoras de call center por todo o país. O medo que é trabalharem todos os dias fechados em locais propícios a serem autênticos focos de contágio e propagação do vírus COVID-19, pela sua própria natureza.
Onde explica a reivindicação actual por teletrabalho já para todos os call centers enquanto dura a pandemia, ou quarentena paga enquanto dura a transição e, explica a greve geral para os call centers convocada pelo STCC que começou dia 24 de Março e durará até 5 de abril inclusive, para pressionarmos quem detém o poder, patrões do sector e poder político, a “olhar” para as pessoas que aqui trabalham, como tal, como pessoas e não como números!

  • A Vida antes do Lucro!
  • Unidos Vamos Vencer!

Fórum TSF: Os direitos dos trabalhadores em tempos de pandemia

https://www.tsf.pt/programa/forum-tsf/emissao/forum-tsf-os-direitos-dos-trabalhadores-em-tempos-de-pandemia-11969655.html

**********************************************************************************************************************************************************

A GREVE NOS CALL-CENTERS MANTÉM-SE
COMUNICADO STCC

1. O STCC convocou Greve entre dia 24 de Março e 5 de Abril inclusivé. O aviso prévio excluía desde logo a “linha SNS24 e outros serviços imprescindíveis de saúde pública, apoio ao INEM, apoio a forças de segurança e linha de apoio à vida”.

2. Esta Greve visa reivindicar: a) Transição imediata para o regime de Teletrabalho, cumprindo o que a lei determina a este respeito; b) Suspensão imediata da atividade de todos os call-centers que não exerçam funções socialmente imprescindíveis. Os trabalhadores devem ser colocados de quarentena, sem perda de rendimentos, enquanto aguardam em casa que a empresa acautele os meios técnicos de transição para o Teletrabalho. c) Qualquer actividade que continue a existir nos call-centers deve observar as seguintes garantias: 1) quarentena imediata sem perda de rendimentos de todos os trabalhadores pertencentes a grupos de risco, assim como daqueles que tenham feito viagens recentes ao estrangeiro; 2) separação de todos os trabalhadores pelo menos 2 metros de distância; 3) existência de meios individuais de trabalho e limpeza e desinfeção recorrente dos mesmos; 4) nenhuma represália ou discriminação aos trabalhadores que optem por ausentar-se ao trabalho para se manterem em quarentena;

3. Devido à pressão de milhares de trabalhadores e do nosso Sindicato, em muitos call-centers está em marcha a transição para o regime de Teletrabalho e o Governo decretou “obrigatória a adoção do regime de teletrabalho, independentemente do vínculo laboral, sempre que as funções em causa o permitam.”Sabemos porém que isso não significa que estejam garantidas todas as medidas que os levaram a convocar esta Greve. Pelo que se justifica a manutenção da mesma.

4. Quando foi convocada esta Greve não havia ainda sido Decretado o Estado de Emergência, que entretanto veio suspender o direito à greve sempre que esta “possa comprometer o funcionamento de infraestruturas críticas ou de unidades de prestação de cuidados de saúde, bem como em setores económicos vitais para a produção, abastecimento e fornecimento de bens e serviços essenciais à população”.

5. Tendo em conta isto, o STCC assume que ainda que se mantenha, a Greve que convocamos sofrerá algumas restrições. Nesse sentido, instruímos todos os trabalhadores a não aderir à greve caso as suas funções se enquadrem na definição acima, nomeadamente, caso se relacionem com “setores económicos vitais para a produção, abastecimento e fornecimento de bens e serviços essenciais à população”. São esses sectores: a produção, fornecimento e piquetes de emergência para avaria de água, gás, eletricidade, comunicações, transportes públicos, viaturas particulares, bem como os bens e serviços de carácter básico como a produção e fornecimento de bens alimentares. Estes passam a estar excluídos do âmbito da greve, tal como os sectores imprescindíveis já antes referidos. Cabe a cada trabalhador avaliar se a função que cumpre e/ou o sector em que ela se insere está dentro desta definição. Cada trabalhador pode e deve pedir orientações ao STCC caso sinta necessidade delas.

6. Salvaguardamos que, independentemente do sector ou função em questão, continuam abrangidos pelo aviso prévio de Greve todos os trabalhadores que exerçam funções para mercados estrangeiros, uma vez que não cabe ao Estado de Emergência decretado em Portugal salvaguardar “a produção, abastecimento e fornecimento de bens e serviços” de outros países;

7. Independentemente da função que exerçam ou do sector para qual prestem serviço, os trabalhadores mantém o direito à protecção face à exposição e propagação do Covid-19 que é uma obrigação das entidades patronais, assim como a requerer a transição para o Teletrabalho;

8. Adaptamo-nos às restrições impostas ao direito à Greve pelo Estado de Emergência. Isso não altera a posição do STCC face ao mesmo e em particular face às limitações de liberdades democráticas que este implica. Pelo contrário, perante a onda de despedimentos que já se começa a sentir noutras áreas profissionais, fica demonstrado que, mais do que assegurar uma Quarentena geral, o Estado de Emergência tem o efeito perverso de limitar os trabalhadores e cidadãos na sua defesa face às consequências económicas e sociais da pandemia. Não obstante, não queremos colocar os trabalhadores de call-center perante situações que periguem o seu emprego e direitos e por isso damos as instruções acima, no sentido de restringir o âmbito desta Greve.

9. Optamos por manter a Greve a partir do próximo dia 24 de Março, não só porque não vimos as nossas reivindicações totalmente satisfeitas. Mas também porque pensamos ser essencial não abrir mão daqueles recursos que os trabalhadores e a população têm de fazer valer os seus direitos, nomeadamente o direito à greve. Queremos Teletrabalho sem perda de remuneração e quarentena paga enquanto dura a transição. Queremos igualmente o direito a ter direitos a e a lutar por eles, algo que será mais necessário que nunca nos tempos difíceis em que vivemos.

21 de Março de 2020
A Direcção do STCC

**********************************************************************************************************************************************************

TELETRABALHO

NÃO TENHO EM CASA MEIOS PARA O TELETRABALHO, ESTOU EXCLUÍDO?

Não! A lei determina que “”os instrumentos de trabalho respeitantes a tecnologias de informação e de comunicação utilizados pelo trabalhador pertencem ao empregador, que deve assegurar as respectivas instalação e manutenção e o pagamento das inerentes despesas” (art. 168º do Código do Trabalho)”

Ou seja: se o trabalhador não tem meios, a empresa tem de garanti-los. Por exemplo, a ausência de computador ou de computador compatível pode ser superada através da disponibilização do computador que o trabalhador usa habitualmente na empresa, mediante assinatura de termo de responsabilidade.

Se o trabalhador não tem internet ou se a sua internet não tem a velocidade suficiente a empresa tem de assegurar a “instalação, manutenção e o pagamento das inerentes despesas”. O mesmo é válido quanto a eventuais acréscimos da despesa na electricidade.

Portanto, os meios tecnológicos detidos pelo trabalhador em casa não determinam se o trabalho que exerce é compatível com o teletrabalho. É a natureza do trabalho que determina se ele é compatível. Ou seja, se tenho um colega a exercer uma determinada função em teletrabalho, não me pode ser negado que exerça essa mesma função devido a não ter os meios em casa. Cabe à Entidade Patronal assegurar esses meios.

A Entidade Patronal pode negar-se a transitar para Teletrabalho alegando o dever de confidencialidade, o RGPD e outras questões afins?

Não! O dever de confidencialidade, lealdade e do cumprimento legal do RGDP mantém-se e não depende de forma alguma do local onde é exercido o trabalho. Tanto Empregador como Trabalhador estão obrigados a respeitar este regime, mesmo em Teletrabalho e nada no Teletrabalho impede que isso aconteça.

O mesmo é válido para qualquer outro regime de confidencialidade, previsto na lei ou nos contratos de trabalho. Diversas empresas bancárias, de seguros ou outras, que lidam com dados confidenciais já estão em regime de teletrabalho.

Copia o requerimento que disponibilizamos abaixo, imprime, digitaliza e envia para a tua empresa. Divulga junto de todos os teus colegas.

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………

Requerimento de Transição para Teletrabalho

Venho por este meio requerer a transição para o regime de Teletrabalho. Este requerimento é feito no âmbito do recente DL 10-A/2020 que determina que “Durante a vigência do presente decreto-lei, o regime de prestação subordinada de teletrabalho pode ser determinado unilateralmente pelo empregador ou requerida pelo trabalhador, sem necessidade de acordo das partes, desde que compatível com as funções exercidas.”

Faço este requerimento por considerar que: 1) o trabalho em call-center (em funções de atendimento, front-office, back-office, supervisão, qualidade ou outras), é por natureza compatível com o regime de teletrabalho; 2) que o mesmo DL 10-A/2020 determina “A situação excepcional que se vive no momento atual e a proliferação de casos registados de contágio de COVID-19 exige a aplicação de medidas extraordinárias e de carácter urgente.”, pelo que constrangimentos como as práticas de controlo de sigilo e confidencialidade ou outros similares, ainda que devam ser respeitadas pelos trabalhadores e empregadores, não devem constituir um entrave à transição para o regime de teletrabalho; 3) que, são deveres do empregador nos termos das alíneas G), H) e I) do n.º 1 do artigo 127.º da Lei 7/2009 de 12 de Fevereiro: “G) Prevenir riscos e doenças profissionais, tendo em conta a protecção da segurança e saúde do trabalhador, devendo indemnizá-lo dos prejuízos resultantes de acidentes de trabalho; H) Adoptar, no que se refere a segurança e saúde no trabalho, as medidas que decorram de lei ou instrumento de regulamentação colectiva de trabalho;”

Na ausência de uma resposta célere a este requerimento, e perante a existência de perigo sério e iminente de propagação do vírus, reservo-me ao direito de não cumprir com o meu dever de assiduidade, aguardando em regime de quarentena que a minha entidade patronal garanta, nos termos da lei, os meios que permitam a transição para o regime de Teletrabalho.

Data: __/__/2020

Assinatura:________________________________________

**********************************************************************************************************************************************************

OBRIGATORIEDADE DO TELETRABALHO | DECRETO 2-A/2020

“Teletrabalho

É obrigatória a adoção do regime de teletrabalho, independentemente do vínculo laboral, sempre que as funções em causa o permitam.”

https://dre.pt/home/-/dre/130473161/details/maximized?fbclid=IwAR27DP6GFcRH_1ohnhPXYOLzefr5N_RCqK7Yhx_9oM4pVcvquoMtR0tOPnE

 

**********************************************************************************************************************************************************

COMO PEDIR UMA INSPECÇÃO AO MEU CALL-CENTER PARA GARANTIR CONDIÇÕES CONTRA O COVID-19?

Continuamos a receber informações de situações de total irresponsabilidade da parte de empresas de call-center, que mantém os seus trabalhadores em condições que não garantem o mínimo de condições contra a propagação do Covid-19.

Nesses casos, cada trabalhador pode e deve pedir à sua Unidade de Saúde Pública local que faça uma inspecção. Abaixo disponibilizamos um modelo de pedido de inspecção que pode ser copiado, preenchido e enviado. O modelo abaixo é apenas um exemplo, que pode ser adaptado a cada caso.

Após preenchido o modelo abaixo, deve ser enviado para a Unidade de Saúde Pública da respectiva zona Geográfica através de e-mail

(Exemplos:

usp.mediotejo@arslvt.min-saude.pt

usp.braga@arsnorte.min-saude.pt

usp.baixomondego1@srscoimbra.min-saude.pt

usp.portoocidental@arsnorte.min-saude.pt

usp.espinhogaia@arsnorte.min-saude.pt

usp.povoa-vconde@arsnorte.min-saude.pt )

Os contactos das restantes USP’s podem ser encontrados através de uma pesquisa rápida online.

Modelo de Pedido de Inspecção:

Exmos. senhores,

Em _________________ (localidade), encontra-se a funcionar a empresa __________(Nome da empresa), com instalações em _________________(Local das instalações).

Estes trabalhadores encontram-se a trabalhar nas seguintes condições: _____________________________________________________________________________________________________________________________________________ ______________________________________( Ex: a atender chamadas a uma distância que não respeita as recomendações da direcção geral de saúde, em locais sem acesso a desinfectante e sem a higiene a que a corrente situação de pandemia obriga, etc…)

Já foram efectuados vários pedidos de correção destas situações, e apesar de ser possível mover uma parte destes trabalhadores para regime de teletrabalho, uma parte substancial necessita de protecção contra a pandemia em forma de condições de higiene e segurança concordantes com as indicações dadas pelo vosso organismo.

Desta forma, venho por este meio solicitar inspeção e intervenção de vossa parte por forma a evitar termos mais uma corrente de transmissão do Covid-19, que pode e deve ser evitada.

Desde já deixo o meu contacto telefónico para qualquer esclarecimento que entendam necessário.

Cordialmente:

__________________ (Nome)

________________ (Número de telefone)

**********************************************************************************************************************************************************

Trabalhadores dos call centers exigem teletrabalho

Danilo Moreira*

Reafirmamos que, mais do que nunca, nossas vidas valem mais que os lucros das Multinacionais ou de Conivências e /ou Negligências Governamentais!

  • Não vais querer Saber?
  • Não vais querer Assinar?
  • Não vais querer Partilhar?
  • Responsabilidade Social!
  • tás logado ou nem por isso?

Por Mim, Por Ti, Por Todos Nós

(Classe Trabalhadora, Amigos, Familiares, População em Geral com a qual nos cruzamos no quotidiano seja nos Transportes Públicos, na Aquisição de Bens Essenciais, Farmácias etc.…)

Existe um Potencial e Brutal Risco de Contágio nos Locais de Trabalho sobretudo no caso dos Call Centers e Serviços Partilhados (Shared Service Center), locais esses onde chegam a trabalhar mais de Mil pessoas num único edifício que muitas vezes chega a ter mais de 10 andares em que nos elevadores andam sempre sobrelotados.

(Esta nossa preocupação é não só a nível nacional como a nível internacional dadas as condições e formas de organização laboral são na sua maioria idênticas independentemente do país onde possam existir.

Por outro lado, entendemos que é totalmente desnecessário sobrecarregar ainda mais a capacidade SNS (Serviço Nacional de Saúde) face às limitações do mesmo e o desgaste de todos os profissionais que merecem todo o nosso respeito e consideração e que devem contar com todo o nosso apoio.

Há que referir ainda que a maior parte destes sectores são explorados por multinacionais que auferem anualmente lucros brutais e que se houver vontade destas entidades aplicarem o teletrabalho o conseguem fazer com os seus € que acumulam faz anos.

Quanto aos Governos a nível mundial ao fecharem os olhos neste aspecto estão a ser coniventes e negligentes colocando ainda mais em risco toda a população mundial

Nota: Esta petição foi criada pelo Stcc (Sindicato dos Trabalhadores de Call Center) tás logado? que desde a sua criação Abril de 2014 tem vindo a reclamar quer junto das entidades Patronais quer junto do Governo que seja aplicado condições de HST (Higiene e Segurança no Trabalho) nos Call Centers por considerarmos  particularmente que a nossa realidade laboral e mais recentemente os Serviços Partilhados (Shared Service Center) são actividades de fácil implementação do Teletrabalho sem desfazer de outros sectores de actividade laboral que igualmente nos preocupam enquanto sindicato e que na medida dos possíveis deve ser também implementado o Teletrabalho devido à situação actual que se vive a nível mundial.

Vais Assinar a petição?

Calamidade Pública: Ausência de Condições Laborais Call Centers e Shared Services Centers acentuadas pelo COVID-19

https://peticaopublica.com/?pi=PT97348

@Tás Logado?                                                                                                                       Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

download

@Stcc,tás logado?
https://www.facebook.com/TasLogadoLx/

REPORT THIS AD

A CASA, DE TRABALHADORES PARA TRABALHADORES
JUNTA-TE A NÓS!

Juntos Na Luta

https://www.facebook.com/acasa2016/
http://www.acasaonline.pt/
casasindical2016@gmail.com

PARTILHA! DIVULGA! SINDICALIZA-TE!

stcc-logo

Podes continuar a Assinar a nossa Petição de Profissão de Desgaste Rápido
Já pensaste em Ser o/a Delegado/a Sindical Logado/a?
CLICKAQUI e Faz a Diferença Hoje!
https://goo.gl/IAJdiA

Boletim taslogado Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

A Brincadeira acabou, o tás logado já chegou!

STCC
STCC, o nosso compromisso é regular todo o sector!
UMA SÓ VOZ
UM SÓ CAMINHO
O DA MELHORIA das nossas condições laborais.
A União dos Trabalhadores
extermina os Prevaricadores
UNIDOS SOMOS MUITO MAIS FORTES.

Contingência logada? Sindicato dos Trabalhadores de Call Center, tás logado?


Olá a todos os que nos acompanham através desta plataforma agradecemos a vossa compreensão pelo facto de nos últimos dias não ter surgido qualquer publicação aqui devido à elevada sobrecarga de tarefas sindicais quer por parte da direcção, quer por parte dos delegados sindicais e voluntários que nos apoiam na medida das suas possibilidades.

Vimos informar que caso pretendam estar informados e esclarecidos sobre o que podem fazer a nível laboral perante a situação actual do SARS-CoV-2 (coronavírus) que provoca a doença – COVID-19 devem acompanhar-nos em tempo real sobre as nossas actividades através do Facebook  lá poderão encontrar não só informação como também como proceder em casos em que as empresas não estejam a cumprir as normas de segurança, solicitar teletrabalho etc…

 

Tás Logado?

@TasLogadoLx

https://www.facebook.com/TasLogadoLx

Loga-te a nós, Segue-nos
Tás Logado?
@TasLogadoLx
https://www.facebook.com/TasLogadoLx/

#sindicato
#callcenter
#táslogado?
#greve
#covid-19
#coronavírus

 

Ficam aqui algumas das notícias logadas?

 1.  Call centers. Trabalham à distância mas não podem fazer teletrabalho

  • Céu Neves
  • 21 Março 2020 — 21:49

https://www.dn.pt/pais/call-centers-trabalham-a-distancia-mas-nao-podem-fazer-teletrabalho-11965829.html

 2.  Reafirmamos que, mais do que nunca, nossas vidas valem mais que os lucros das Multinacionais ou de Conivências e /ou Negligências Governamentais!

  • Base Fut Notícias
  • 20 Março 2020

http://basefut.pt/noticias/?fbclid=IwAR3UA73t1e_0yJk-SNnM-lMRrTQ0fW4bxCtCCOG5EbLbeWDXZnLmamnTCeg

3.  Trabalhadores dos “call centers” querem teletrabalho e ameaçam com greve

  • JN/Agências
  • 20 Março 2020 às 18:08

https://www.jn.pt/economia/trabalhadores-dos-call-centers-querem-teletrabalho-e-convocam-greve-11961924.html

4.    Focos de contaminação: trabalhadores de call centers exigem teletrabalho

  • Rute Fonseca
  • 17 Março, 2020 • 14:12

https://www.tsf.pt/portugal/sociedade/focos-de-contaminacao-trabalhadores-de-call-centers-exigem-teletrabalho-11942124.html

5.  Coronavírus: Trabalhadores dos call centers avançam para a greve

https://www.publico.pt/2020/03/15/economia/noticia/coronavirus-trabalhadores-call-centers-avancam-greve-1907889?fbclid=IwAR2zy3VQ4tgpiR8566-NIyyX_wy6o4Wp7YKb_oe0sbJwqcYX5YYLgsbI55M

6. Sindicato reclama fecho dos maiores call centers

https://www.publico.pt/2020/03/13/economia/noticia/sindicato-reclama-fecho-maiores-call-centers-1907585?fbclid=IwAR2LLRp0y2LXFRksaCpvPSZL2NQGbrDbCmp2mp56fea9nSmnk0bUs2Rysmg

@Tás Logado?                                                                                                                       Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

download

@Stcc,tás logado?
https://www.facebook.com/TasLogadoLx/

REPORT THIS AD

A CASA, DE TRABALHADORES PARA TRABALHADORES
JUNTA-TE A NÓS!

Juntos Na Luta

https://www.facebook.com/acasa2016/
http://www.acasaonline.pt/
casasindical2016@gmail.com

PARTILHA! DIVULGA! SINDICALIZA-TE!

stcc-logo

Podes continuar a Assinar a nossa Petição de Profissão de Desgaste Rápido
Já pensaste em Ser o/a Delegado/a Sindical Logado/a?
CLICKAQUI e Faz a Diferença Hoje!
https://goo.gl/IAJdiA

Boletim taslogado Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

A Brincadeira acabou, o tás logado já chegou!

STCC
STCC, o nosso compromisso é regular todo o sector!
UMA SÓ VOZ
UM SÓ CAMINHO
O DA MELHORIA das nossas condições laborais.
A União dos Trabalhadores
extermina os Prevaricadores
UNIDOS SOMOS MUITO MAIS FORTES.

5º Encontro Nacional pela Justiça Climática, tás logado?


5º Encontro Nacional pela Justiça Climática

21/02 às 18:30 – 22/02 às 18:30

Colégio Almada Negreiros, Universidade Nova de Lisboa, Campolide, Lisboa

Já somos “mainstream“. Os políticos acham que se deve fazer alguma coisa sobre a crise climática, os parlamentos declaram emergência climática. Mas o nosso objectivo não é sermos mainstream. Nós queremos ver acção urgente por uma transição energética que traga justiça climática às nossas sociedades. E isso só vai acontecer com e por causa da nossa mobilização e organização.

A 21-23 de fevereiro, vamos juntar-nos no Colégio Almada Negreiros da Univeridade Nova de Lisboa em Campolide, no 5º Encontro Nacional pela Justiça Climática, para partilhar acções, conhecimento e experiências, para construir estratégias, e para conhecer as lutas e as activistas.

Vamos à raíz do problema: vamos focar-nos nas linhas da frente onde a verdadeira destruição climática continua a avançar, apesar das palavras bonitas; e nas lutas que se cruzam com a nossa por terem as mesmas causas socio-económicas no fundo.

Antes da grande onda de mobilizações na primavera, vamos preparar-nos para articular melhor as várias frentes da luta. O ano 2020 tem que ser o ano em que as sociedades mudam de caminho. Nós não temos um plano B sem ser ganhar; porque não temos um planeta B.

Na sexta-feira vamos abrir o encontro com uma sessão dedicada ao artivismo. No sábado iremos ter sessões sobre gás fóssil, transporte de animais vivos, o novo aeroporto do Montijo, povos indígenas, indústria agropecuária e alimentar, transição justa e mineração em águas profundas.

Não precisas de te inscrever para estar presente nas sessões do encontro, contudo pedimos-te que, caso tenhas interesse em almoçar no local no sábado, preenchas este formulário para termos uma estimativa do número de refeições: https://framaforms.org/refeicoes-de-dia-22-de-fevereiro-no-5o-enjc-1580222235

O 5º Encontro Nacional pela Justiça Climática é co-organizado por:
2degrees artivism, Academia Cidadã, Aliança Pela Amazônia, Animal Save Portugal, ArtCitizenship, ATERRA, CICS.NOVA, Climate Save Portugal, Climáximo, Coletivo Alvito, Coletivo Andorinha – Frente Democrática Brasileira de Lisboa, Colombianos Por La Paz – Portugal, Coopérnico, Stop Ecocide: Change the Law, Empregos para o Clima, Extinction Rebellion Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – NOVA FCSH, Fórum Indígena Lisboa, Fundação para a Ciência e a Tecnologia, Gás é Andar Para Trás, Greve Climática Estudantil, Campanha Linha Vermelha, PATAV – Plataforma Anti-Transporte de Animais Vivos, Rede 8 de Março, Sciaena, Universidade NOVA de Lisboa

Com o apoio de:
Abad Pisão, Aspea Associação, GEOTA, Live With Earth, Lixo Zero Portugal – movimento Zero Waste, Parents For Future Portugal, Plataforma TROCA – Por um Comércio Internacional Justo, Tamera Healing Biotope I – Portugal, WWF Portugal

Programa completo em:
https://tinyurl.com/programa5enjc-lisboa

https://www.facebook.com/events/472116040124915/

 

 

@Tás Logado?                                                                                                                       Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

download

@Stcc,tás logado?
https://www.facebook.com/TasLogadoLx/

REPORT THIS AD

A CASA, DE TRABALHADORES PARA TRABALHADORES
JUNTA-TE A NÓS!

Juntos Na Luta

https://www.facebook.com/acasa2016/
http://www.acasaonline.pt/
casasindical2016@gmail.com

PARTILHA! DIVULGA! SINDICALIZA-TE!

stcc-logo

Podes continuar a Assinar a nossa Petição de Profissão de Desgaste Rápido
Já pensaste em Ser o/a Delegado/a Sindical Logado/a?
CLICKAQUI e Faz a Diferença Hoje!
https://goo.gl/IAJdiA

Boletim taslogado Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

A Brincadeira acabou, o tás logado já chegou!

STCC
STCC, o nosso compromisso é regular todo o sector!
UMA SÓ VOZ
UM SÓ CAMINHO
O DA MELHORIA das nossas condições laborais.
A União dos Trabalhadores
extermina os Prevaricadores
UNIDOS SOMOS MUITO MAIS FORTES.

Seminário Internacional “Partilhar a riqueza e o poder – Mais democracia no trabalho”


A partir do dia 20 de fevereiro, a BASE-FUT e o Centro de Formação e Tempos Livres vão organizar, com o apoio do EZA, um seminário internacional sob o tema “Partilhar a riqueza e o poder – Mais democracia no trabalho”. O seminário irá decorrer em Sintra e juntará membros de organizações de trabalhadores vindos de toda a Europa. Este evento pretende refletir sobre a situação da democracia no trabalho nos vários países europeu e construir novos caminhos para fortalecer a democracia económica e social. Quatro painéis são previstos para aprofundar estas questões: “Desigualdades em Portugal e na Europa: causas e manifestações”, “Participação dos trabalhadores e democracia no trabalho: elemento de progresso económico e social”, “A política fiscal na agenda dos sindicatos: recuperar o imposto como ferramenta fundamental de redistribuição democrática da riqueza” e “O papel da negociação coletiva na partilhar da riqueza”. Estas sessões contarão com intervenções de investigadores e militantes de organizações de trabalhadores com vista a promover o debate. Ao longo do seminário, os conteúdos dos debates serão divulgados no site da BASE-FUT.

http://basefut.pt/institucional/noticias/seminario-internacional-partilhar-a-riqueza-e-o-poder-mais-democracia-no-trabalho/

Base – Frente Unitária de Trabalhadores a bombar desde

Uma voz diferente em Portugal.

Uma opinião política e social inteiramente livre

Uma Organização que aposta na transformação social, cultural e política desta sociedade

Um espaço de participação, de solidariedade e de diversidade

Missão
Colocar o ser humano no centro das políticas económicas e sociais

Fomentar o poder do povo/democracia

Incentivar um planeta de paz ambientalmente equilibrado

Home

https://www.facebook.com/BASE-Frente-Unitária-de-Trabalhadores-105544866160013/

 

 

@Tás Logado?                                                                                                                       Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

download

@Stcc,tás logado?
https://www.facebook.com/TasLogadoLx/

REPORT THIS AD

A CASA, DE TRABALHADORES PARA TRABALHADORES
JUNTA-TE A NÓS!

Juntos Na Luta

https://www.facebook.com/acasa2016/
http://www.acasaonline.pt/
casasindical2016@gmail.com

PARTILHA! DIVULGA! SINDICALIZA-TE!

stcc-logo

Podes continuar a Assinar a nossa Petição de Profissão de Desgaste Rápido
Já pensaste em Ser o/a Delegado/a Sindical Logado/a?
CLICKAQUI e Faz a Diferença Hoje!
https://goo.gl/IAJdiA

Boletim taslogado Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

A Brincadeira acabou, o tás logado já chegou!

STCC
STCC, o nosso compromisso é regular todo o sector!
UMA SÓ VOZ
UM SÓ CAMINHO
O DA MELHORIA das nossas condições laborais.
A União dos Trabalhadores
extermina os Prevaricadores
UNIDOS SOMOS MUITO MAIS FORTES.

Visita guiada à exposição. Exposição We transfer Sandokan no @pogoteatro até 23 de Fevereiro 2020


Visita guiada à exposição.

Exposição We transfer Sandokan no @pogoteatro
até 23 de Fevereiro
Sextas e Sábados, das 17h00 às 21h00

Para que o dia de amanhã possa ser bem diferente do passado e do presente!

Luta hoje para que o amanhã não seja tarde demais!

Pela Organização da classe trabalhadora e das demais organizações da sociedade civil!
Juntos somos muito mais fortes!

Se ficarmos à espera do nada o pouco ou nada teremos!

A luta continua nas empresas, nos governos, nas redes sociais, nas ruas etc…

Associação Cultural POGO
Nascido em 1993 o Pogo resulta da necessidade de ampliar as premissas a partir das quais encara a expressão artística, e reuniu, na sua origem, criadores ligados ao teatro, performance, vídeo, literatura, música e artes plásticas numa lógica de confronto e sedimentação de linguagens.
Nascido em 1993 o Pogo resulta da necessidade de ampliar as premissas a partir das quais encara a expressão artística, e reuniu, na sua origem, criadores ligados ao teatro, performance, vídeo, literatura, música e artes plásticas numa lógica de confronto e sedimentação de linguagens.

#pogo #pogoteatro #entradalivre #lisboa #exposição #wetransfersandokan

@Tás Logado?                                                                                                                       Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

download

@Stcc,tás logado?
https://www.facebook.com/TasLogadoLx/

REPORT THIS AD

A CASA, DE TRABALHADORES PARA TRABALHADORES
JUNTA-TE A NÓS!

Juntos Na Luta

https://www.facebook.com/acasa2016/
http://www.acasaonline.pt/
casasindical2016@gmail.com

PARTILHA! DIVULGA! SINDICALIZA-TE!

stcc-logo

Podes continuar a Assinar a nossa Petição de Profissão de Desgaste Rápido
Já pensaste em Ser o/a Delegado/a Sindical Logado/a?
CLICKAQUI e Faz a Diferença Hoje!
https://goo.gl/IAJdiA

Boletim taslogado Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

A Brincadeira acabou, o tás logado já chegou!

STCC
STCC, o nosso compromisso é regular todo o sector!
UMA SÓ VOZ
UM SÓ CAMINHO
O DA MELHORIA das nossas condições laborais.
A União dos Trabalhadores
extermina os Prevaricadores
UNIDOS SOMOS MUITO MAIS FORTES.

“O silêncio não é, nunca foi, nem nunca será solução face ao crescimento de forças populistas…


“O silêncio não é, nunca foi, nem nunca será solução face ao crescimento de forças populistas que defendem um retrocesso da nossa sociedade e o retorno do fascismo em Portugal e no resto do mundo. Nós, antifascistas, continuaremos a denunciar e combater abertamente a extrema-direita, usando de todos os meios ao nosso alcance, com ou sem apoio dos partidos com representação partidária. Contudo, relembramos que esta não é apenas a luta da Frente Unitária Antifascista ou das organizações filiadas mas sim, uma luta de todo o povo e dos seus representantes.”amental de petição

A Frente Unitária Antifascista, pela sua Coordenação Nacional, vem por este meio repudiar o entrave ao direito fundamental de petição, exercido pelos órgãos da Assembleia da República.

De facto, a nossa organização recolheu 9400 assinaturas para uma petição, que acompanhou a manifestação organizada no dia 10 de agosto, contra a conferência europeia neonazi que ocorreu em Lisboa. Uma vez que as assinaturas foram suficientes para podermos exigir que a nossa petição seja debatida em plenário na Assembleia da República, como previsto na Constituição na Lei n.º 43/90, de 10 de agosto, decidimos avançar com a apresentação da mesma aos serviços da Assembleia da República.

No dia 10 de dezembro de 2019, a petição foi registada na plataforma online disponibilizada pela Assembleia da República para estes efeitos. (https://participacao.parlamento.pt)

No dia 14 de dezembro de 2019, uma vez que o texto estava corrigido e as assinaturas verificadas, submetemos a petição, sempre atravès da mesma plataforma.

No dia 17 de dezembro de 2019, a petição foi aceita e aberta a assinaturas. Sendo a recolha suficiente para a petição ser debatida em plenário, avançamos com o encerramento do período de recolha de assinaturas no mesmo dia, e submetemos a petição para apresentação.

Tal como figura na área pessoal da conta que serviu para submeter a petição na plataforma, o texto da petição foi aprovado pela plataforma no dia 17 de dezembro de 2019.

Conscientes de que este processo pode demorar um certo tempo, aguardamos o início de janeiro para ver aparecer a nossa petição no site, indicando-nos que o processo estaria de facto a avançar. Mas para nossa surpresa, das novas petições que apareceram, nenhuma era a petição que apresentamos. Entramos então em contacto com o secretariado da Assembleia da República, de forma a poder falar com algum responsável por este assunto. A pessoa que nos respondeu, informou-nos que era questão de alguns dias.

Esperamos então duas semanas, depois das quais voltamos a entrar em contacto com os mesmos serviços e a mesma pessoa, que nos explicou que de facto estava a demorar, mas que estaria no site nos próximos dias.

Aguardamos até inícios de fevereiro e voltamos a entrar em contacto com estes serviços, de forma a perceber qual a razão pela qual a nossa petição ainda não figurava no site da Assembleia da República. Desta vez, foi-nos explicado que sendo altura de debates sobre o Orçamento de Estado, os trabalhos relativo às petições andavam um pouco atrasados, mas que o assunto seria tratado em breve, não podendo dar um prazo certo tendo em conta que a petição estava no escritório da pessoa responsável, a aguardar que esta possa aprovar e dar seguimento ao processo da nossa petição.

A verdade é que a partir da data onde a nossa petição foi submetida, foram aprovadas 13 petições, as quais estão indicadas como tendo sido publicadas depois da nossa. Razão pela qual não percebemos a justificação que nos foi dada, de falta de tempo para aprovação das petições. Não nos parece que a nossa petição seja mais complexa que as outras que foram publicadas, justificando que estas sejam publicadas e não a nossa.

O que nos leva a pensar que, de facto, há uma vontade por parte dos serviços da Assembleia da República, não só de limitar-nos no nosso direito fundamental de apresentar uma petição e vê-la debatida em plenário, levando assim ao silêncio os milhares de portugueses que assinaram a petição, como de continuar a evitar de abordar certos assuntos, nomeadamente a questão do crescimento da extrema-direita e da ideologia fascista em Portugal.

Razão pela qual anunciamos desde já que, não iremos ficar calados face a este não-respeito da vontade de milhares de portugueses e do seu direito fundamental a apresentar e ver debatida uma petição. A Frente Unitária Antifascista, caso esta situação perdura, irá apelar à mobilização das pessoas e organizações que apoiaram esta petição, para um protesto frente à Assembleia da República, exigindo que a petição seja aprovada, disponibilizada aos grupos parlamentares e que o debate seja agendado o mais brevemente possível.

Informamos também que será enviada a cada grupo parlamentar, a dita petição, de forma a poderem analisá-la e eventualmente marcar um encontro com os nossos representantes para debater das possíveis propostas e poderem apoiar a nossa exigência de que seja respeitado o direito fundamental de petição cedido ao povo pela nossa Constituição.

O silêncio não é, nunca foi, nem nunca será solução face ao crescimento de forças populistas que defendem um retrocesso da nossa sociedade e o retorno do fascismo em Portugal e no resto do mundo. Nós, antifascistas, continuaremos a denunciar e combater abertamente a extrema-direita, usando de todos os meios ao nosso alcance, com ou sem apoio dos partidos com representação partidária. Contudo, relembramos que esta não é apenas a luta da Frente Unitária Antifascista ou das organizações filiadas mas sim, uma luta de todo o povo e dos seus representantes.

Fascismo nunca mais !
#2020aLutaContinua

https://frenteunitariaantifa.wixsite.com/fuantifa/post/entrave-ao-direito-fundamental-de-peti%C3%A7%C3%A3o

#2020aLutaContinua
A Frente Unitária Antifascista e as organizações/pessoas que a compõem vem, por este meio, desejar um bom ano a todos e todas. A FUA compromete-se a continuar na luta em 2020, em cada cidade, cada bairro, cada rua!!

2019 foi, infelizmente, um ano bastante revelador relativamente à extrema-direita, autora de vários atentados e ataques por todo o mundo. Só na Europa, foram mais de uma centena de pessoas que perderam a vida esta ano, mortos por elementos de extrema-direita que tentam impor a sua ideologia pela violência, e eliminar qualquer oposição política.

Portugal não foi exceção no crescimento da extrema-direita, e ainda que a radicalização dos grupos portugueses seja limitada a ações contra militantes antifascistas, tememos que o próximo ano possa ser marcado pelas primeiras vítimas não-militantes, por parte de grupos fascistas, racistas e/ou neonazis como o Escudo Identitário (ligado ao Batalhão Azov, milícia neo-nazi ucraniana acusada de vários crimes de guerra), Nova Ordem Social do criminoso Mário Machado, a Nova Legião Portuguesa fundada pelos antigos seguidores do Mário Machado, ou ainda a Blood And Honour e a Misantropic Division Portugal, dois grupos reconhecidos como terroristas em vários países do mundo, e presentes atualmente em Portugal.

A normalização do discurso de ódio operada, entre outros, pelo partido Chega do André Ventura (que tem como ideólogo e redactor do programa do partido um Bombista do MDLP – Diogo Pacheco de Amorim), criou um espaço de legitimidade pública para estes grupos, que se desenvolvem e aproveitam para captar novos elementos e radicalizá-los. Esta normalização também pode ser observada em vários canais televisivos como a TVI e a RTP, que têm vindo a dar visibilidade a fascistas, como por exemplo o Nuno Cerejeira, conhecido pelo seu envolvimento na morte de Alcindo Monteiro e pelas ligações ao grupo neonazi criminoso Hammerskins, ou concedendo entrevistas ao Mário Machado na TVI.
2019 foi, de facto, um ano de destaques para a extrema-direita. Para quem tivesse dúvidas sobre o facto da extrema-direita estar infiltrada nas forças policiais e militares, o surgimento de iniciativas como o Movimento Zero é esclarecedor e sintomático, não deixando espaço para dúvidas. A nível mundial, destacaram-se os vários atentados cometidos, como o massacre de Christchurch na Nova Zelândia, e o assassinato de Walter Luebcke na Alemanha. (Lista dos atentados e ataques de extrema-direita, com fontes: https://docs.google.com/document/d/1XUMaR-NeDPMmF4Rjf6rzutsTxVTVFPAEFcxOyJbl548/edit?usp=sharing)
Vários foram os alertas lançados pelo movimento antifascista, acerca do perigo que representa o crescimento da extrema-direita e dos grupos criminosos e terroristas ligados a esta ideologia. Alertas também lançados pelo SIS e pela Europol, que ainda este ano lançou um relatório, expressando preocupação sobre a presença de grupos de extrema-direita potencialmente terroristas atuando em Portugal. Infelizmente, a FUA continua a constatar que estes avisos não são levados a sério, e que prevalece a estratégia de “ignorar e esperar que o problema desapareça”. Lamentamos esta posição, que reúne a concordância e despreocupação do Governo português, e que ficou registada quando, no dia 10 de Agosto, o movimento de extrema-direita neo-nazi Nova Ordem Social organizou, sem entraves de maior, uma conferência europeia neonazi em Lisboa, que contou com a presença de elementos de vários grupos organizados neonazis, a nível internacional. Este episódio levou-nos a organizar uma manifestação, e a redigir uma petição, que foi entregue na Assembleia da República. Relembramos que, aquando deste episódio, a comunicação social solicitou ao Ministro da Administração Interna uma tomada de posição, ao que este respondeu: “Isso não é connosco”. Uma resposta inaceitável, especialmente quando, apenas 4 meses depois, se confirma que uma das oradores foi detida em Itália por ligações com um grupo terrorista de extrema-direita neonazi. No entanto, esta não é uma atitude exclusiva do MAI, mas sim o espelho da atitude geral tanto do Governo, como dos partidos parlamentares que, até há pouco tempo, evitavam o assunto e nos acusavam de caçarmos fantasmas.
Desde a sua criação, a Frente Unitária Antifascista compromete-se a ser um obstáculo e uma barreira ao crescimento e emergência destes grupos, e a usar todas as ferramentas possíveis e necessárias para lutar contra este perigo que ameaça uma sociedade livre, democrática e igualitária. Comparando com alguns outros países europeus, Portugal demorou um pouco mais até ter um deputado da extrema-direita. É provável que demore, também, um pouco mais até que os crimes de ódio e atentados terroristas cá aconteçam. No entanto, a FUA recusa-se a ficar sentada à espera que isso aconteça, e continuará a sua luta, até que cada um destes grupos seja desarmado, desconstruído e destruído, e até o Governo atuar em conformidade com os valores da Constituição da República Portuguesa, e ponha em prática medidas de combate efectivo ao crescimento da extrema-direita, com todo o risco que ela representa para cada um de nós.

A Frente Unitária Antifascista não apoia o uso gratuito da violência – mas apoia, sim, a autodefesa. Como foi mencionado aquando das ameaças de morte, por parte de elementos neonazis à família de um dos nossos coordenadores, da tentativa de homicídio do mesmo, e perante o aumento das agressões a camaradas antifascistas, a Frente Unitária Antifascista não se responsabiliza pelas reacções e respostas dos seus membros. No entanto, a intolerância e o discurso de ódio são inconstitucionais, atentam à liberdade individual e ao equilíbrio em sociedade, pelo que apelamos também, mais uma vez, a que tanto as autoridades como os partidos parlamentares tomem medidas contra estes grupos violentos e o discurso de ódio que propagam, evitando que a justiça tenha de ser feita nas ruas.

Pela FUA, advertimos para a importância e urgência desta luta, e lançamos o apelo aos partidos parlamentares para que concretizem a intervenção contra a extrema-direita e, nomeadamente, debatam a nossa petição na Assembleia da República, entregue no dia 10 de Dezembro de 2019. Do mesmo modo, apelamos a todas as forças da esquerda, e todos os movimentos de defesa dos Direitos Humanos, da liberdade, equidade e justiça social, a juntarem-se a nós.

A FUA estará presente em cada cidade, em cada bairro, em cada rua, na qual seja necessário lutar contra a extrema-direita.

Frente Unitária Antifascista

Discursos de Ódio etc… de coisas abomináveis por não trazerem nada de positivo para uma sociedade melhor, muito pelo contrário! Nem AQUI, NEM EM LADO ALGUM! Contra a conferência Neonazi do dia 10 de Agosto em Lisboa

https://taslogado.wordpress.com/2019/08/10/discursos-de-odio-etc-de-coisas-abominaveis-por-nao-trazerem-nada-de-positivo-para-uma-sociedade-melhor-muito-pelo-contrario-nem-aqui-nem-em-lado-algum-contra-a-conferencia-neonazi-do-dia-10/

 

@Tás Logado?                                                                                                                       Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

download

@Stcc,tás logado?
https://www.facebook.com/TasLogadoLx/

REPORT THIS AD

A CASA, DE TRABALHADORES PARA TRABALHADORES
JUNTA-TE A NÓS!

Juntos Na Luta

https://www.facebook.com/acasa2016/
http://www.acasaonline.pt/
casasindical2016@gmail.com

PARTILHA! DIVULGA! SINDICALIZA-TE!

stcc-logo

Podes continuar a Assinar a nossa Petição de Profissão de Desgaste Rápido
Já pensaste em Ser o/a Delegado/a Sindical Logado/a?
CLICKAQUI e Faz a Diferença Hoje!
https://goo.gl/IAJdiA

Boletim taslogado Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

A Brincadeira acabou, o tás logado já chegou!

STCC
STCC, o nosso compromisso é regular todo o sector!
UMA SÓ VOZ
UM SÓ CAMINHO
O DA MELHORIA das nossas condições laborais.
A União dos Trabalhadores
extermina os Prevaricadores
UNIDOS SOMOS MUITO MAIS FORTES.

DESAFIOS DO COMÉRCIO JUSTO


DESAFIOS DO COMÉRCIO JUSTO
A QUEM SERVEM AS NOSSAS ESCOLHAS?
ENCONTRO ABERTO – 10 de Fevereiro de 2020 às 15h
Rua Maria, 15
(Metro do Intendente)
AMIGOS DE APRENDER

Os Desafios do Comércio Justo
http://basefut.pt/institucional/os-desafios-do-comercio-justo/?fbclid=IwAR14F6ZT8X3OmaJ2v6w_FGngNhVMOa1d0E9EETuoaPssD_UxrkoOg9WPRDs
#Cidac
#ComércioJusto
https://www.facebook.com/LojaComercioJusto/
#BaseFut
http://basefut.pt/institucional/os-desafios-do-comercio-justo/?fbclid=IwAR14F6ZT8X3OmaJ2v6w_FGngNhVMOa1d0E9EETuoaPssD_UxrkoOg9WPRDs

 

 

 

 

@Tás Logado?                                                                                                                       Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

download

@Stcc,tás logado?
https://www.facebook.com/TasLogadoLx/

REPORT THIS AD

A CASA, DE TRABALHADORES PARA TRABALHADORES
JUNTA-TE A NÓS!

Juntos Na Luta

https://www.facebook.com/acasa2016/
http://www.acasaonline.pt/
casasindical2016@gmail.com

PARTILHA! DIVULGA! SINDICALIZA-TE!

stcc-logo

Podes continuar a Assinar a nossa Petição de Profissão de Desgaste Rápido
Já pensaste em Ser o/a Delegado/a Sindical Logado/a?
CLICKAQUI e Faz a Diferença Hoje!
https://goo.gl/IAJdiA

Boletim taslogado Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

Sindicato dos Trabalhadores de Call Center

A Brincadeira acabou, o tás logado já chegou!

STCC
STCC, o nosso compromisso é regular todo o sector!
UMA SÓ VOZ
UM SÓ CAMINHO
O DA MELHORIA das nossas condições laborais.
A União dos Trabalhadores
extermina os Prevaricadores
UNIDOS SOMOS MUITO MAIS FORTES.

Encontro Nacional + Debate “O Feminismo tem de ser Anti-racista” 08 Fev 2020*Lisboa


Encontro Nacional da Rede 8 de Março – Sábado – 8 de Fevereiro – Lisboa – Casa do Brasil

O patriarcado é um pilar fundamental do sistema capitalista. O capitalismo lucra com a dupla opressão da mulher. Por um lado, com a desigualdade salarial, por outro com o trabalho doméstico mantido na clausura privada do lar, através da ausência de serviços públicos e gratuitos.

A maioria das mulheres negras vive em condições de sobre-exploração. Tendo como destino quase obrigatório os sectores da limpeza industrial e do trabalho doméstico, onde são muitas vezes vítimas de assédio. Esta situação de sobre-exploração é fundamental para o capitalismo se alimentar e manter. As mulheres negras sofrem com a opressão específica que é o racismo, presente em todos os espaço e órgãos desta sociedade. Esta violência expressa-se também nos ataques racistas quotidianos da polícia aos negros e imigrantes. Demonstrando objectivamente que a verdadeira função da polícia é bater nos explorados e oprimidos em defesa dos privilégios do exploradores.

Portanto o feminismo dos explorados e oprimidos é e só pode ser anti-racista!

Só através da organização e da luta nas ruas é que podemos derrotar o machismo e o racismo!

Participa no Encontro Nacional da Rede 8 de Março e junta-te à construção da Greve Feminista Internacional.

Programação
Encontro Nacional – discussão de preparação da Greve Feminista Internacional 2020
Horário: 10h-13h30

Debate “O feminismo tem de ser antirracista”
Local: Casa do Brasil
Horário: 15h-18h
Oradoras
Barbara Góis – Sindicato de Trabalhadores de Call Center
Lúcia Furtado – Femafro
Maria Gil – Mulheres Ciganas
Shenia Karlsson – INMUNE
Moderação: Vânia S. – Rede 8 de Março

Festa
A partir das 22h30 na Galeria ZDB (Bairro Alto)

Formulário de inscrição (só para facilitar a nossa logística e para te ajudarmos caso precises de alojamento):

https://docs.google.com/forms/d/1NRhNet31JhKaZDG6FXUg15yWzyoZaQDH00eeM1iXV3w/edit?ts=5e344bdc


Evento criado por Rede 8 de Março

https://www.facebook.com/events/s/encontro-nacional-debate-o-fem/170025020955279/

https://rede8marco.wordpress.com/

#rede8m
#feminismo

 

Filme e debate: O Plano (2018) , estás logado?


Aparece e partilha este evento!
Em Lisboa dia 06 Fev 2020
Das 16:00 – 18:00
Local:BASE – Frente Unitária de Trabalhadores (Rua Maria aos Anjos, 15, Lisboa)

Filme e debate: O Plano (2018)

Projeção do filme ” O Plano”
Sinopse: Há 40 anos, um grupo de engenheiros qualificados enfrentavam a crise, austeridade e ameaça de encerramento da fábrica onde trabalhavam. Responderam com um plano radical, desenhando vários produtos socialmente úteis, sustentáveis e pró-ambientais em alternativa ao armamento militar que a fábrica produzia. Este filme atreve-se a perguntar como poderia ser hoje em dia a nossa vida, se o Plano dos trabalhadores da Lucas não tivesse sido obstruído.

O filme “O Plano” conta a história da luta dos trabalhadores da Lucas que produziram um plano de transição e auto-gestão para a fábrica em que trabalhavam: um plano que visaria a alteração da produção de componentes de aviões para turbinas eólicas, questionando a forma em que o trabalho estava organizado e para que servia esta produção.

Hoje, com a crise climática, nós também precisamos dum plano nosso para uma transição energética justa. Depois do filme (versão curta de duração 30 minutos), vamos discutir que políticas seriam necessárias em Portugal para evitarmos o caos climático.

Este Evento destina-se a pessoas ligadas aos movimentos sindicais, a comissões de trabalhadores, a movimentos de organização de trabalhadores, a Investigadores e aos demais interessados nas questões laborais e sua correlação com as questões ambientais.

Venha debater connosco!
Participe e contribua para a respectiva divulgação junto dos demais interessados!


A campanha dos Empregos para o Clima visa combater a precariedade laboral e climática, e lutar por um mundo socialmente justo e ambientalmente são.
#empregosparaoclima
http://www.empregos-clima.pt/
https://www.facebook.com/empregosclima

https://www.instagram.com/empregos.clima/